SUSTENTABILIDADE: Parque Burle Marx ganha seis trilhas para caminhada

Durante a inauguração da infraestrutura, Rollemberg anunciou licitação para terminar a drenagem de águas pluviais na primeira etapa do Noroeste


Foto Pedro Paulo.

O governo de Brasília lançará, na quinta-feira (20), o edital de licitação, no valor de 10,5 milhões, para concluir as obras de drenagem de águas pluviais na primeira etapa do Setor Noroeste. O anúncio foi feito, neste sábado (15), pelo governador Rodrigo Rollemberg, durante a inauguração de trilhas de caminhada no Parque Burle Marx. Também está em andamento a licitação, no valor de R$ 14 milhões, para o plantio de 670 mil metros quadrados de grama na área habitacional.

“Nosso objetivo é avançar nessas obras para implantar definitivamente a infraestrutura do Noroeste, que inclui melhorias no Parque Burle Marx”, destacou Rollemberg, que assinou, na semana passada, ordem de serviço para retomada da pavimentação e da drenagem pluvial na segunda etapa do setor.

As seis trilhas de caminhada seguem em direção à Asa Norte, onde três delas se juntam. Com 1,20 metro de largura, totalizam 4,5 quilômetros, têm piso de brita e meio-fio. A construção foi custeada e executada por 11 construtoras de Brasília, que nela investiram R$ 300 mil, e o trabalho, coordenado pela Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF). “Elas seguem os mesmos padrões das trilhas do Jardim Botânico de Brasília e atendem as pessoas que precisam transitar entre o Noroeste e a Asa Norte”, explicou o presidente da Ademi-DF, Paulo Muniz.

Participaram do evento o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Julio Cesar Peres; o presidente da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap), Alexandre Navarro; o administrador regional do Plano Piloto, Igor Tokarski; e o presidente da Associação dos Moradores do Setor Noroeste, Antônio Custódio Neto.

Prevista para este sábado, a assinatura da ordem de serviço para instalação da iluminação pública no Burle Marx será firmada após a realização de ajustes de ordem ambiental.

Fonte: Redação.
Compartilhar

Por: Movimento dos Comunicadores do Brasil

0 comentários:

Postar um comentário