BRASÍLIA: Mais de 100 mil pedem impeachment de Dilma e apoiam Sergio Moro

Manifestação na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, reuniu cerca de cem mil pessoas na manhã deste domingo (13), de acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal. Durante o protesto, foi registrada uma ocorrência de furto de celular

Polícia Militar estima em 100 mil o número de manifestantes que estão neste momento na Esplanada dos Ministérios, no Distrito Federal, para o ato pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, em Brasília, neste domingo. Os organizadores do evento falam em 30 mil pessoas. 

Os sinais de manifestação são vistos antes mesmo de se chegar à Esplanada dos Ministérios. Em algumas varandas e janelas de edifícios residenciais, há bandeiras do Brasil, cena comum na capital federal apenas em Copa do Mundo.

Os manifestantes usam fantasias e carregam "pixulecos". No Eixo Rodoviário, nos chamado "eixinhos", motoristas passam buzinando nas faixas que não são bloqueadas aos domingos para lazer.

Os dois sentidos das vias da Esplanada — fechadas para veículos à 0 hora de domingo, da Rodoviária do Plano Piloto até o Balão do Presidente, no acesso à L4 Sul — foram completamente liberadas por volta das 13h30. Ainda segundo o Departamento de Trânsito do Distrito Federal, 65 motoristas foram autuados por estacionamento irregular e um veículo foi removido por impedir a circulação. As multas, entretanto, não terão efeito.

Monitoramento
O governador Rodrigo Rollemberg esteve no Centro Integrado de Comando e Controle Regional, onde acompanhou as ações da segurança em tempo real por meio de câmeras. O centro funciona na Subsecretaria de Integração e Operações, vinculada à Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social. Estavam presentes ainda a secretária de Segurança Pública e da Paz Social, Márcia de Alencar, os comandantes-gerais da Polícia Militar do DF, coronel Marcos Antônio Nunes de Oliveira, e do Corpo de Bombeiros, coronel Hamilton Santos Esteves Junior, e o diretor-geral do Departamento de Trânsito do DF, Jayme de Amorim.

Representantes de outros órgãos, como do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), da Polícia Civil do DF, da Polícia Federal, do Ministério Público do DF, do Exército, da Marinha e da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) também trabalharam no centro de comando.
Compartilhar

Por: Movimento dos Comunicadores do Brasil

0 comentários:

Postar um comentário