RURAL: Brasília Qualidade no Campo reconhece boas práticas agropecuárias

Nove agricultores receberam certificado e selo de programa da Secretaria da Agricultura lançado oficialmente neste sábado (2), no Centro de Capacitação e Comercialização da Agricultura Familiar, na Ceasa

Foto: José de Paula.
Foi lançado oficialmente neste sábado (2) o Programa de Boas Práticas Agropecuárias do Distrito Federal — Brasília Qualidade no Campo. Por meio dele, agricultores que adotarem boas práticas atestadas pelas regras do programa serão reconhecidos com certificados e selos emitidos pela Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural. O lançamento ocorreu no Centro de Capacitação e Comercialização da Agricultura Familiar, da Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF).

Criada pela Portaria nº 35, de 12 de maio de 2016, a iniciativa tem como parceiros a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), a Ceasa-DF e a Secretaria de Saúde. Na solenidade de hoje, nove agricultores receberam o certificado e o selo. Foram eles: Antônio Tanaka e Rute Maria de Azevedo Sá Gontijo, do Núcleo Rural Alexandre Gusmão; Daiana Alves dos Santos, Núcleo Rural Capão da Onça; Jubinair das Chagas, do Núcleo Rural Capão da Onça; Luiz Carlos Cardoso e Vicente de Paulo Zandonade, do Núcleo Rural Pipiripau; Luiz Pedro Horn, da Colônia Agrícola Cana do Reino; Vilson Martins da Silva, do Núcleo Rural Cabeceira do Valo; e Zaqueu Gomes Barbosa, do Assentamento Fazenda Larga.

Segundo a coordenadora do programa, da Secretaria da Agricultura, Lara Line, o reconhecimento permite que os produtores afixem um selo de qualidade em seus alimentos ou instalem um banner onde eles são comercializados. “Verificamos condições de limpeza, respeito às legislações trabalhistas e ambientais, correto armazenamento dos produtos, cuidado na colheita e no pós-colheita, entre outros requisitos”, exemplifica Lara.
Proteção à saúde dos brasilienses

Um dos objetivos do Brasília Qualidade no Campo é promover, capacitar e estimular os responsáveis por estabelecimentos rurais que comercializam alimentos in natura (não industrializados) a desenvolver ações para melhorar a qualidade sanitária e assim proteger a saúde da população do Distrito Federal. A adesão é voluntária. Quem quiser participar deve procurar os escritórios da Emater na região administrativa em que fica a propriedade.

Além dos agricultores, trabalhadores rurais e consumidores, estão entre o público-alvo do programa associações, cooperativas e organizações de agricultores, comércio atacadista e varejista, distribuidores, feiras e demais integrantes das cadeias produtivas agropecuárias.
70%é o mínimo dos requisitos obrigatórios que os agricultores têm de cumprir para receber a certificação e o selo

De acordo com a portaria que criou o programa, têm direito a receber o certificado e o selo propriedades rurais que alcançarem pelo menos 70% dos pontos obrigatórios verificados em auditorias de conformidade. Periodicamente, novas vistorias serão feitas para assegurar — ou não — a permanência da certificação. A validade, caso ela não seja cancelada antes, é de um ano.

Participaram do lançamento do Brasília Qualidade no Campo, os secretários daAgricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, José Guilherme Leal; doTrabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Joe Valle; o secretário adjunto do Meio Ambiente, Carcius Santos; o subsecretário de Vigilância à Saúde, Tiago Coelho; o diretor da Vigilância Sanitária da subsecretaria, Manoel Neto; o presidente da Emater-DF, Argileu Martins; o representante do presidente da Ceasa-DF, Carlos Banci; os representantes da Caesb, Carlito Lima, e da Embrapa-Hortaliças, Milza Moreira; e o administrador regional de Ceilândia, Vilson de Oliveira.

Também compareceram à cerimônia o representante da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar, Anaildo Porfirio; os presidentes da Cooperativa Agropecuária de São Sebastião, Luiz Torres, da Associação de Supermercados de Brasília, José Fagundes Maia Neto, e da Associação dos Agricultores do Assentamento Pequeno Willian, Gaspar Martins; o diretor da cooperativa Rede Terra, Zizo Simion; o vice-presidente do Sindicato dos Floricultores, Fruticultores e Horticultores do Distrito Federal, Silvio Venturoli; e a representante do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura, Lúcia Maria.
Compartilhar

Por: Movimento dos Comunicadores do Brasil

0 comentários:

Postar um comentário