PR quer entrar na disputa pelo Buriti em 2014

Mesmo se Arruda não concorrer, o presidente do partido diz que outros filiados têm condições de concorrer

 Apesar do cacife político do ex-governador José Roberto Arruda, hoje filiado ao PR, o presidente regional do partido, José Salvador Bispo, avisa que ele não será necessariamente o nome para disputar o Buriti no ano que vem: “o ex-governador Arruda não é o único para disputar o governo. Temos outros nomes fortes, como Jofran Frejat, Adelmir Santana e Laerte Bessa”. 

“O   partido”, diz ele, “ficou muito forte com o ingresso de nomes importantes, mas vamos decidir tudo juntos, dentro do partido”. 

Mesmo com as novas filiações, Salvador lamentou a saída do deputado federal Ronaldo Fonseca, que não querendo sair da base de Agnelo, transferiu-se para o recém-criado Pros, onde assumiu a presidência regional. “Queríamos que o pastor Ronaldo Fonseca permanecesse no partido, mas ele não quis”, lamentou Salvador ao negar que a saída do deputado federal tenha relação com a filiação de Arruda.

Sem  Fonseca, o PR ficou sem representantes do DF no Congresso. Na Câmara Legislativa resta Aylton Gomes.

Mudança de lado
O PR passou nos últimos meses  de base do governo para a oposição, ainda que se proclame independente. Para Salvador, “o governador Arruda é apenas mais um filiado. Nossa saída do governo não tem nada a ver com a chegada dele”. 

De um lado o partido usa a TV para fazer críticas ao atual governo e, de outro, dezenas de filiados ocupam a Secretaria de Trabalho, sob a batuta do   bispo Renato Andrade, ainda  membro do PR. 

A contradição não preocupa Salvador Bispo. Ele conta que assumiu a presidência há quatro meses e nunca foi chamado para conversar pelo governador.  Afirma, aliás, não ter interesse em voltar a apoiar o governo que classifica de “ruim”.

Montando a chapa
“Somos um partido independente e estamos montando nossa própria chapa para concorrer as eleições do ano que vem. Estamos com uma nominata forte e temos vários nomes que podem disputar o governo”, insiste Salvador.

José Salvador nega que o afastamento com o Buriti seja resultado do ingresso do ex-governador José Roberto Arruda, que estando em condições jurídicas será o nome mais forte para a disputa ao governo pela legenda.

Um pé no governo, outro na oposição

A falta de comunicação com o Executivo levou o partido a um afastamento e a mudança de postura. “Estamos construindo nossa própria nominata para ver Brasília de volta aos trilhos. Não queremos participar de um governo tão ruim assim”, declara o presidente do PR no Distrito Federal.
 
A contraditória permanência do secretário de Trabalho a frente da pasta não incomoda Salvador, que considera parte do processo democrático do partido a decisão do grupo. “Não estamos preocupados se as pessoas estão lá. Se eles estão fazendo um bom trabalho é o que importa”, diz Salvador.
 
O presidente confessa que não sabe qual será a situação de Renato Andrade nas eleições do ano que vem e se ele disputará algum cargo pela legenda. “Não sei ainda se ele será candidato, mas se quiser ficar no partido tudo bem”, conta.
 
Bispo Renato é ligado ao deputado federal Ronaldo Fonseca, mas preferiu permanecer no partido por acreditar que sua transferência para o Pros não lhe daria legenda para se eleger em 2014.

Ronaldo discordou do PR quando  recebeu o ex-governador José Roberto Arruda e consequentemente deixou a base do governo de Agnelo Queiroz. Ele assumiu a presidência do PROS.
 
Outros membros do PR, também ligados a Ronaldo Fonseca, permaneceram na secretaria.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília
Compartilhar

Por: Movimento dos Comunicadores do Brasil

0 comentários:

Postar um comentário