Trânsito ainda é um grande problema em Águas Claras

Moradores reclamam do caos na entrada e na saída da cidade

Novo acesso pela EPTG ainda é subaproveitado

Com estimativa de que 20 mil motoristas, em média, utilizassem diariamente o novo acesso a Águas Claras pela Estrada Parque Taguatinga (EPTG), apenas 20% dos moradores começaram a utilizar o novo retorno, segundo informações preliminares do Departamento de Estrada de Rodagem (DER). Enquanto isso, os motoristas enfrentam longos congestionamentos na via marginal e na entrada da cidade.

Na última terça-feira (18), moradores da região registraram um nó no trânsito no balão da Unieuro/ Walmart, na entrada da cidade. Segundo os moradores, o trânsito para acessar a região já era caótico. “A tendência é piorar, pois as obras que foram feitas são meros paliativos. Solução de verdade é transporte público de qualidade”, disse um morador de Águas Claras, na página de uma rede social.

Segundo o DER, o caos no trânsito, na terça-feira (18), foi um dia atípico. “Houve um travamento total das vias devido ao excesso de carros no local. Não sei explicar o volume de veículos, pode ter sido um evento próximo, talvez”, pontuou o superintendente de Trânsito do DER Murilo de Melo. De acordo com ele, o novo acesso construído na EPTG para entrar em Águas Claras está sendo subaproveitado. “Cerca de 20% da estimativa de motoristas que utilizam o acesso, os outro 80% ainda usam a via marginal para acesso a região”, afirmou. Murilo disse também que precisa haver uma mudança de comportamento.

Para o morador César Vasconcelos, a única solução é planejamento urbano. “É preciso levar os postos de trabalho para perto das residências da população. Enquanto isso não acontece, se é que um dia irá acontecer, temos que cobrar novos acessos à cidade e transporte com eficiência.”

Agentes do DER irão monitorar o trânsito na região. “Antes, haviam agentes lá, mas retiramos. Agora, eles irão ficar no local monitorando, se ocorrer novamente o problema, eles irão solucionar”, finalizou o superintendente.
Compartilhar

Por: Movimento dos Comunicadores do Brasil

0 comentários:

Postar um comentário