Nova superintendente da AGEFIS processa a própria agência

Repetindo o que fez ao nomear para diretor geral do DETRAN um cidadão que tinha cinquenta multas em apenas um ano e, mais grave, processava o próprio órgão por conta disso, o governador Rodrigo Rollemberg nomeou no ultimo dia 9, a advogada ADRIANA MOREIRA DIAS GUERREIRO, para o cargo se superintendente da Agencia de Fiscalização do Distrito Federal (AGEFIS). Ela que é servidora de carreira do órgão, é, também, advogada dos servidores do mesmo contra a agência. O nome de Adriana configura em um modelo de “contrato de prestação de serviços advocatícios”, que este blog teve acesso, cujo primeiro objeto destacamos abaixo:

Parte
 Conforme consta no “contrato” cada servidor deverá pagar o valor de R$ 500,00 (quinhentos reais) a título de despesas administrativas iniciais do processo. Ao todo, são 320 servidores que poderiam se beneficiar com a ação. Se todos resolverem contratar a advogada e os seus colegas, a banca receberá um total de R$ 160.000,00 (cento e sessenta mil reais) apenas para as custas iniciais. Além disso, e ainda segundo o “contrato”, ao final e logrando êxito, cada servidor deverá pagar mais 20% (vinte por cento) do valor obtido.



Este blog foi informado, também, que já existem pelo menos 35 servidores que aderiram à causa, já tendo feito seus respectivos depósitos na conta do “contrato”.

Apreensão entre os clientes

Mesmo não podendo advogar contra o governo da qual é servidora concursada, a nomeação de Adriana para a superintendência deixou um clima de apreensão entre os servidores da agencia, que já foram prejudicados no passado, tanto que estão recorrendo à justiça. Entre os mesmos a grande pergunta é: será que a advogada vai mesmo defendê-los em uma causa contra o governo da qual ela é servidora?

Abaixo a cópia do contrato assinado por um servidor e cedido ao blog, sob promessa de sigilo. Observe uma rubrica do contratado que imagina-se seja da advogada Adriana:

AGEFIS ADRIANA 1
AGEFIS ADRIANA 2
Fonte: Blog do Professor Chico
Compartilhar

Por: Movimento dos Comunicadores do Brasil

0 comentários:

Postar um comentário