HABITAÇÃO: Crédito imobiliário deve iniciar novo ciclo de expansão em 2016

O consultor da vice-presidência de Habitação da CAIXA, Fernando Magesty, traça um panorama do crédito imobiliário para 2016 durante painel na Convenção Secovi-SP 2015

O mercado de crédito imobiliário brasileiro deve passar por ajustes e iniciar um novo ciclo de expansão no segundo semestre de 2016. A projeção foi feita por Fernando Magesty, consultor da vice-presidência de Habitação da CAIXA, durante painel na Convenção Secovi-SP 2015, em São Paulo nesta terça-feira (1º).

"Em 2017 a gente deve entrar em voo de cruzeiro”, afirmou ele. Magesty justificou a expectativa lembrando que o Minha Casa Minha Vida, o maior programa de habitação popular da história do país, nasceu em meio à crise global de 2009. Desde então, já entregou 2,5 milhões das 4 milhões de moradias contratadas. 


Magesty ainda apontou três frentes nas quais a CAIXA trabalha para destravar o setor. A primeira é a diversificação das fontes de recursos de longo prazo, hoje concentrados na poupança e no FGTS, para financiar o setor habitacional.

O banco tem discutido sugestões de regulamentação das Letras Imobiliárias Garantidas no âmbito da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

Inspiradas nas covered bonds, amplamente utilizadas na Europa, as LIGs serão papeis isentos de imposto de renda. A diferença em relação a outros títulos é que, além do fluxo de prestações, os bancos usam uma parcela do seu patrimônio como garantia, trazendo segurança maior ao investidor.

A CAIXA também participa de um grupo criado pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda para desburocratizar o setor e reduzir custos. “Nós já sugerimos como ponto fundamental o registro eletrônico de imóveis”, disse Magesty.

Com a adoção de sistema eletrônico, será possível pedir o registro de escrituras e contratos sem se deslocar até o cartório. Para construtoras e incorporadoras, a medida reduz o tempo do repasse dos clientes ao banco, o que só ocorre depois que o contrato assinado entre instituição financeira e comprador é registrado no cartório. “O tempo que se demora para registrar um imóvel define o tempo que o vendedor demora para receber um financiamento ou a última parcela, o que é uma trava no mercado”.

Fonte: Caixa.
Compartilhar

Por: Movimento dos Comunicadores do Brasil

0 comentários:

Postar um comentário